O papel do Estado e a interação entre empresas, Institutos de Ciência e Tecnologia (ICT) e Instituições de Ensino Superior (IES) para inovação e capacitação industrial e tecnológica para defesa no Brasil

Eduardo Siqueira Brick, Henrique Fernandes Alvarez Vilas Porto

Abstract


A interação entre empresas e instituições voltadas majoritariamente a atividades de ciência, tecnologia e inovação (CT&I) é extremamente relevante para a geração de inovação em todas as sociedades modernas. No setor de defesa essa interação não é menos importante. Porém, existem poucas informações sobre essas interações no Brasil. As pesquisas existentes abordam a economia como um todo e, no máximo, segmentam pelo setor industrial, aí incluídas as atividades puramente extrativas. Entretanto, a atividade industrial para defesa difere significativamente, em muitos aspectos importantes, em relação às atividades voltadas para o mercado civil. A principal diferença é que a indústria de defesa faz parte de um dos dois instrumentos da defesa, a Base Logística de Defesa (BLD), instrumento esse essencial para aparelhar o segundo instrumento, as Forças Armadas (FFAA). Portanto, a justificativa para a existência da indústria de defesa é estratégica, de sobrevivência e autodeterminação dos Estados e não econômica. O trabalho apresenta resultados inéditos, baseados em dados primários obtidos em levantamento feito em empresas associadas da ABIMDE – Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança, cobrindo os anos de 2007 a 2011. Esses dados, comparados com os fornecidos pela Pesquisa de Inovação 2014, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, mostram que existe um problema de governança na estrutura nacional com responsabilidade pela inovação e fornecimento de produtos de defesa para as Forças Armadas.

Keywords


logística de defesa; indústria de defesa; gestão de inovação

References


BRASIL. Ministério da Defesa. Estratégia Nacional de Defesa. Brasília, DF: Ministério da Defesa, 2012.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Acórdão TCU 2952/2013. Relatório de Auditoria Operacional. Processos de transferência de tecnologia existentes no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) e no projeto H-XBR. Brasília, DF: TCU, 2013.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Transferência de Tecnologia – Programa de desenvolvimento de Submarinos (Prosub) e Projeto H-XBR: Sumário Executivo. Brasília, DF: TCU, 2014.

BRASIL, Tribunal de Contas da União. Acórdão no 543/2016. Relatório da Auditoria Operacional para avaliar a efetividade da estrutura de gestão e controle do projeto piloto do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras – Sisfron. Brasília, DF: TCU, 2016.

BNDES – Banco Nacional do Desenvolvimento e Social. BNDES – Apoio ao Setor de Defesa. Apresentação feita em 21/10/2014 para alunos de Pós-graduação em Engenharia de Defesa do Instituto Militar de Engenharia. Rio de Janeiro, 2014.

BRICK, Eduardo S. O perfil das empresas da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança – ABIMDE. Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção v.14, n. D5, p. 45-90, 2013. Disponível em: . Acesso em 07/10/2019.

________________. O planejamento da defesa para um futuro incerto: parte 2. Revista do Clube Naval. Rio de Janeiro, RJ, v. 371, p.14 – 21, 2014.

________________. O mercado das empresas da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança – ABIMDE. Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção v.14, n. D6, p. 91-149, 2014a. Disponível em: . Acesso em 07/10/2019.

_________________. A Gestão Estratégica da Defesa em Tempos de Paz. Cadernos de Estudos Estratégicos. Rio de Janeiro: Escola Superior de Guerra, 2018.

_________________. A conceptual framework for defense logistics. Gestão&Produção, v. 26, n. 4 e4062, p. 1-16, 2019. https://doi.org/10.1590/0104-530X4062-19 2019

BRUSTOLIN, Vitelio. Inovação e desenvolvimento via Defesa Nacional nos EUA e no Brasil. Tese de doutorado (Ciências em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014.

CALLIARI, Thiago; SANTOS, Ulisses P.; e MENDES, Philipe S. Geração de Tecnologia em Universidades/Institutos de Pesquisa e a Importância da Interação com Empresas: Constatações através da Base de Dados dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Análise Econômica, Porto Alegre, ano 34, n. 66, p. 285-312, 2016.

CASSIOLATO, José Eduardo; RAPINI, Márcia S.; e BITTENCOURT, Pablo. A Relação Universidade-Indústria no Sistema Nacional de Inovação Brasileiro: uma Síntese do Debate e Perspectivas Recentes. Research Paper 11/07. Rio de janeiro: Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2007.

CASSIOLATO, José E.; LASTRES, Helena. Maria. M. Sistemas de inovação: políticas e perspectivas. Revista Parcerias Estratégicas, Brasília, n. 8, p. 237-255, 2000.

ECCLES, Henry E. Military Concepts and Philosophy. New Jersey: Rutgers University Press, 1965.

ETZKOWITZ, Henry. e LEYDESDORFFR, Loet. The dynamics of innovation: from National Systems and ‘‘Mode 2’’ to a Triple Helix of university–industry–government relations. Research Policy, n. 29 , p. 109–123, 2000.

FINEP- Financiadora de Estudos e Projetos. Projetos contratados e valores liberados. Disponível em: http://www.finep.gov.br/transparencia-finep/projetos-contratados-e-valores-liberados. Acesso em 26/03/2020.

GANSLER, Jacques S. Democracy’s Arsenal: creating a twenty-first-century defense industry. Cambridge, MA: The MIT Press, 2011.

GORDON, José Luiz P.L. Papel do Estado na Política de Inovação brasileira 2007-2015: uma análise do uso dos principais instrumentos. Tese de doutorado. (Economia). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2017.

HEIDENKAMP, Henrik, LOUTH, John, TAYLOR, Trevor. The Defence Industrial Triptych: Government as Customer, Sponsor and Regulator. Routledge Journals. Essex, 2013.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Inovação 2014. Rio de Janeiro: Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria, 2016

KAUFMANN, Alexander. e TÖDTLING. Franz. Science–industry interaction in the process of innovation: the importance of boundary-crossing between systems. Research Policy, n. 30, p. 791–804, 2001.

LUNDVALL, Bengt-Åke, et al. National systems of production, innovation and competence building. Research Policy, n. 31, p. 213–231, 2002.

MALERBA, F. Sectoral Systems of Innovation and Production. DRUID Conference on: National Innovation Systems, Industrial Dynamics and Innovation Policy Rebuild, June 9-12, 1999.

MAZZUCATO, Mariana. The Entrepreneurial State: Debunking Public vs. Private Sector Myths. United Kingdom: Anthem Press, 2014

MCTIC - Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia. 2019. Disponível em: . Acesso em 05/10/2019.

MCTIC - Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações Recursos Aplicados – Governo Federal. 2020. Disponível em: < http://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/indicadores/detalhe/recursos_aplicados/governo_federal/2_2_2.html>. Acesso em 28/03/2020.

MOREIRA, William de Sousa. Ciência e Poder: o cerceamento tecnológico e as implicações para a Defesa Nacional. Tese de doutorado (Ciência Política). Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2013.

MOWERY,D.,C. Military and innovation. In: HALL, H e ROSENBERG. Handbook of the Economics Innovation, ed.2, Cap 29, p1221-1256, 2010.

MOWERY, David. C. Defense-related R&D as a model for “Grand Challenges” technology policies. Research Policy, n. 41, p. 1703–1715, 2012.

OECD – Organization for Economic Co-operation and Development. Oslo Manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data. 3 ed. OCDE Publishing, 2005.

RAUEN, A.T. (Organizador). Políticas de Inovação pelo lado da Demanda no Brasil. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2017.

RIBEIRO, Cássio Garcia. Desenvolvimento Tecnológico Nacional: O Caso KC-390. In: RAUEN, André Tortato (org.). Políticas de inovação pelo lado da demanda no Brasil. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2017.

SABATO, J.A. e BOTANA, N. La ciencia e la tecnología en el desarrollo futuro de América Latina. In: SABATO, J.A. El pensamento latino-americano en la problemática ciência- tecnologia- desarrollo- dependência. Buenos Aires: Editorial Paidos, p.143-158, 1975.

SILVA, Lauri da. Regime Especial de Tributação para a Indústria de Defesa - RETID: uma análise sobre a sua aplicabilidade no Fomento a Indústria Aeroespacial Brasileira. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: Universidade da Força Aérea, 2018.

TELLIS, Ashley J., Janice Bially, Christopher Layne, and Melissa McPherson. Measuring National Power in the Postindustrial Age. Santa Monica, CA, USA: RAND Corporation, 2000.

THORPES, G. (1917). Pure Logistics: the science of war preparation. Introduced by Stanley Falk (3 ed.). Washington, DC, USA: National Defense University Press, 1996.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2020 REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVAL

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexes and directories:
resultado de imagem para Diadorim AZUL resultado de imagem para LOGO DE DOI CrossRef resultado de imagem para CAPES PERIÓDICAS Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
 
 

REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVALJOURNAL OF THE NAVAL WAR COLLEGE

e-ISSN: 2359-3075
ISSN: 1809-3191

INSTRUCTIONS FOR AUTHORS ON-LINE SUBMISSION