A convenção de Montego Bay: prós e contras

Adherbal Meira Matos

Abstract


O presente artigo é uma reflexão da regulação do uso do mar a partir da Convenção de Montego Bay, apresentando aspectos positivos e negativos, sobretudo no que se refere à delimitação do Mar Territorial, o estabelecimento e a delimitação de uma Zona Econômica Exclusiva, a delimitação da extensão da Plataforma Continental e a determinação da “Área”. Analisa ainda a regulação normativa e o engajamento nacional, com ênfase na discussão sobre os conceitos de Soberania no Mar Territorial (MT), bem como os Direitos Soberanos na Zona Econômica Exclusiva (ZEE) e na Plataforma Continental (PC) sob o prisma legal atinente à competência e jurisdição. Por fim, apresenta a necessidade de competente revisão normativa, em virtude do Pré-Sal e da preservação do meio marinho.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2016 CAPA - REVISTA DA EGN

Indexes and directories:
resultado de imagem para Diadorim AZUL resultado de imagem para LOGO DE DOI CrossRef resultado de imagem para CAPES PERIÓDICAS Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
 
 

REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVALJOURNAL OF THE NAVAL WAR COLLEGE

e-ISSN: 2359-3075
ISSN: 1809-3191

INSTRUCTIONS FOR AUTHORS ON-LINE SUBMISSION