Indústria bélica brasileira na primeira metade do século XX

Luiz Rogério Franco Goldoni

Abstract


Neste trabalho, elenco e analiso iniciativas que visaram garantir o suprimento das necessidades do Exército brasileiro a partir da produção doméstica. Nas três primeiras décadas do século passado não havia um sistema de produção de conhecimento científico e tecnológico nem capacidade industrial que respaldassem minimamente o desenvolvimento autônomo da força terrestre brasileira. Entre os grandes desafios colocados a modernização do Exército estava o suprimento de armas e equipamentos. Desde o século XIX, as fábricas do Ministério da Guerra se empenhavam em contornar as limitações técnicas e operacionais impostas pelo cenário socioeconômico do país; nas primeiras décadas do século XX, os esforços neste sentido foram intensificados, fazendo com que as plantas industriais do Exército fossem pioneiras na manufatura de produtos químicos e no desenvolvimento de técnicas metalúrgicas. Parte substancial do esforço de pesquisa desenvolvido neste artigo voltou-se para o conhecimento das instalações fabris criadas e administradas pelo Ministério da Guerra entre as duas Guerras Mundiais.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2016 CAPA - REVISTA DA EGN

Indexes and directories:
resultado de imagem para Diadorim AZUL resultado de imagem para LOGO DE DOI CrossRef resultado de imagem para CAPES PERIÓDICAS Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
 
 

REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVALJOURNAL OF THE NAVAL WAR COLLEGE

e-ISSN: 2359-3075
ISSN: 1809-3191

INSTRUCTIONS FOR AUTHORS ON-LINE SUBMISSION