Submarinos para quê? condicionantes do programa de desenvolvimento dos submarinos brasileiros

Deywisson Souza Ronaldo Oliveira de Souza, Marcos Aurélio Guedes de Oliveira

Abstract


Quais são os fatores indutores do Programa de Desenvolvimento de Submarinos? Este artigo explica que o alto investimento na produção de novos submarinos convencionais e do primeiro submarino de propulsão nuclear do Brasil está condicionado a objetivos em três esferas de interesse: (1) para a defesa da Amazônia Azul, seus recursos naturais e energéticos (sobretudo as reservas de petróleo do pré-sal), e proteção das rotas de comércio exterior; (2) interesses em nível regional, em que o Brasil busca fortalecer o processo de integração como forma de promover a estabilidade regional e consolidar sua liderança na América do Sul; e (3) para fomentar objetivos de nível global, em que o País busca ampliar sua inserção internacional, participar de processos decisórios de maior relevância e adquirir assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU). A metodologia foi qualitativa, norteada pelas particularidades do caso e operacionalizada pela técnica bibliográfico-documental. Constatou-se que os atributos táticos, diplomáticos e ofensivos dos submarinos são adequados aos interesses brasileiros, pois instrumentalizam sua política externa e de defesa.


Keywords


Submarino; Prosub; Poder Naval; Defesa Nacional; Brasil.

References


ALSINA JÚNIOR, J. O poder militar como instrumento da política externa brasileira contemporânea. Revista Brasileira de Política Internacional. v. 52, n.2, 2009.

AMORIM, Celso. Discurso XLVIII Sessão Ordinária da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas. Segunda Parte. 27 set. 1993. In: CORRÊA, Luiz Felipe de Seixas. (Org). O Brasil nas Nações Unidas. Brasília: FUNAG, 2007.

BERTONHA, J. F. Brazil: an emerging military power. The problem of the use of force in Brazilian international relations in the 21 century. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 53, n.2 , 2010.

BETHELL, L. Brazil: regional power, global power. Open Democracy, 9 jun. 2010. Disponível em: https://www.opendemocracy.net/en/brazil-regional-power-global-power/. Acesso em 30 de Jul. 2019.

BOOTH, Ken. Navies and foreign policy. London: Routledge Revivals, 2014.

BRASIL. Ministério da Defesa. Política Nacional de Defesa (PND) e Estratégia Nacional de Defesa (END). Brasília, DF: Ministério da Defesa, 2012. Disponível em: http://www.defesa.gov.br/arquivos/estado_e_defesa/END-PND_Optimized.pdf. Acesso em: 02 fev. 2018

BRASIL. Livro Branco de Defesa. Brasília, DF: Ministério da Defesa, 2012.

BRASIL. Decreto nº 99.165, de 12 de março de 1990. Promulga a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1990/decreto-99165-12-marco-1990- 328535-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 15 mar. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Política de Defesa Nacional. Brasília,DF: Imprensa Nacional, 1996.

BRASIL. Entrada Forçada. In: Glossário das Forças Armadas. [S. l]: Ministério da Defesa, 2007.

BRASIL. Estratégia Nacional de Defesa. Brasília, DF: Ministério da Defesa, 2008.

BRIGIDO, Eveline Vieira. O Brasil e a Reforma do Conselho de Segurança da ONU. Século XXI, n.2, p.89-104, jul./dez. 2011.

CALL. C; ABDENUR, A. E. A “Brazilian way”? Brazil’s approach to peacebuilding. Geoeconomics and Global Issues, Paper 5, 2017.

CAMPO de Iara, vizinho a Tupi, tem até 4 bilhões de barris de óleo. Gazeta do Povo, 10 set. 2008. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/economia/campo-de-iara-vizinho-a-tupi-tem-ate-4-bilhoes-de-barris-de-oleo-b67jisqn9wycozzfksoumite6/. Acesso em: 10 fev. 2019

CARVALHO, Patrícia Nasser de; GONÇALVES, Fernanda Cristina Nanci Izidro. O Brasil como potência regional: uma análise da sua liderança na América do Sul no início do século XXI. Revista Carta Internacional, Belo Horizonte, v. 11, n. 3, p.222-248, 2016.

CASTRO, Vinicius. Uma nova estratégia? Defesa Aérea e Naval, 05 nov. 2012. Disponível em: https://www.defesaaereanaval.com.br/artigos/uma-nova-estrategia-2. Acesso em: 23. Jan. 2018.

CASTRO, Vinicius. NUCLEP na Cerimônia de Integração dos Submarinos Classe Riachuelo. Tecnologia e defesa, 21 fev. 2018. Disponível em: https://tecnodefesa.com.br/nuclep-na-cerimonia-de-integracao-dos-submarinos-classe-riachuelo/. Acesso em: 07 out. 2019.

CARVALHO, Roberto de Guimarães. A outra Amazônia. Folha de São Paulo. 25 fev. 2004. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2502200409.htm. Acesso em: 22 mar. 2019.

CERVO, A. L. A política exterior: de Cardoso a Lula. Revista Brasileira de Política Internacional. v. 46, n.1, p.5-11, 2003.

CERVO, A. L. Inserção internacional: formação dos conceitos brasileiros. São Paulo: Saraiva, 2008.

CERVO, Amado Luiz; BUENO, Clodoaldo. História da política exterior do Brasil. São Paulo: Ática, 2002

COUTAU-BÉGARIE, H. Tratado de estratégia. La Reina: Academia de Guerra del Ejército de Chile, 2011.

ERVILHA, E. T. F. Obtenção das Características Operacionais do Submarino Nuclear Brasileiro: um mergulho muito além da Amazônia Azul. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Política e Estratégia Marítimas) - Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, 2011.

FLORES, M. Reflexões Estratégicas: repensando a defesa nacional. São Paulo: É Realizações, 2002.

FONSECA JR. Gelson. A legitimidade e outras questões internacionais. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

FRAGATA “União” suspende para Missão no Líbano. Marinha do Brasil. 31 jan. 2019. Disponível em: https://www.marinha.mil.br/noticias/fragata-uniao-suspende-para-missao-no-libano. Acesso em: 22 fev. 2019.

GALANTE, A. Submarinos convencionais e nucleares de ataque. Poder Naval, 25 mai. 2013. Disponível em: www.naval.com.br/blog/2013/05/25/submarinos-convencionais-e-nucleares-de-ataque/. Acesso em: 14 out. 2018.

GALANTE, A. Poder Naval no Seminário da Amazônia Azul, na Escola Naval. Poder Naval. Disponível em: https://www.naval.com.br/blog/2010/10/16/poder-naval-no-seminario-da-amazonia-azul-na-escola-naval/. Acesso em: 14 dez. 2019.

GALANTE, A. Marinha compra quatro fragatas por 9,1 bilhões . Poder Naval. 04 mar. 2020. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2021.

GODOY, R. Marinha compra quatro navios de guerra lançadores de mísseis. Terra. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/marinha-compra-quatro-navios-de-guerra-lancadores-de-misseis,1de14158c2f8b926f3c3980c7fde09c4647f0fd2.html. Acesso em: 14 jun. 2020.

HAMANN, Eduarda P., Brazil and R2P: A Rising Global Player Struggles to Harmonise Principles and Practice. In: BROSIG, Malte (ed.)The Responsibility to Protect – from evasive to reluctant action? The Role of Global Middle Powers. Johannesburg: Hans Seidel Foundation; Konrad-Adenauer-Stiftung; Institute for Security Studies; South Africa Institute of International Affairs, 2012.

HECHT,L. A. R. Submarino Nuclear: Sua importância estratégica para o Brasil. Monografia (Política e Estratégia Marítimas) - Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, 2007.

HURREL, A. Hegemony, liberalism and global order: what space for would-be great powers? International Affairs, v. 82, n. 1, p.1-19, 2006.

INTERNATIONAL INSTITUTE FOR STRATEGIC STUDIES(IISS). The Military Balance 2013. Londres: Taylor and Francis, 2013.

LIBERATTI, Wellington. Aula Inaugural do CASO 2002. O Periscópio, Niterói, n. 56, p. 3-14, 2002.

LIMA, Maria Regina Soares de. HIRST, Mônica. International Affairs, v. 82, n. 1, 2006.

LIMA, Raphael Camargo. A articulação entre política externa e política de defesa no Brasil: uma Grande Estratégia inconclusa. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) – UNESP/UNICAMP/PUC-SP, Programa San Tiago Dantas de Pós-graduação em Relações Internacionais, 2015.

LOPES, R. S40 Riachuelo V- A Fortaleza de Itaguaí. Zero Hora, 08 dez. 2018. Disponível em: www.defesanet.com.br/prosub_s40/noticia/31420/S40-Riachuelo-V--A-Fortaleza-de-Itaguai /. Acesso em: 07 out. 2019.

MARINHA DO BRASIL. Doutrina básica da Marinha. Brasília,DF, [S. l.], 2014.

MALAMUD, A. Foreign Policy Retreat: Domestic and Systemic Causes of Brazil’s International Rollback. Rising Powers Quarterly, v. 2, n. 2, 2017.

MEDEIROS FILHO, Oscar. Agenda brasileira para uma arquitetura Sul-Americana de defesa sob uma perspectiva militar. In: SIMPÓSIO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO PROGRAMA SAN TIAGO DANTAS, 2., 2009, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: [S. n], 2009. p.

MELLO, F. C. Política externa brasileira e os blocos internacionais. Perspec., São Paulo, v.16, jan./mar. 2002.

MORGENTHAU, Hans J. A Política entre as nações: a luta pelo poder e pela paz. Brasília, DF: UnB, 2003.

MOURA, José Augusto Abreu de. A estratégia naval brasileira no Pós-Guerra Fria: uma análise comparativa com foco em submarinos. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto Estudos Estratégicos, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2012.

NYE, J. Soft Power: The Means to Success in World Politics. New York: Public Affairs, 2004.

OLIVEIRA, Guilherme Ziebell de et al. O papel do Ministério da Defesa na política externa brasileira para a América do Sul. Fronteira, Belo Horizonte, v. 9, n. 18, p. 49-66, 2010.

O PROSUB e o submarino nuclear brasileiro SN-BR. Poder Naval. 20 fev. 2018.

PADILHA, L. Submarino Nuclear Brasileiro‘Alvaro Alberto’ (SN 10). Defesa Aérea e Naval, 07 dez. 2012. Disponível em: https://www.defesaaereanaval.com.br/ciencia-e-tecnologia/submarino-nuclear-brasileiro-alvaro-alberto-sn-10. Acesso em: 07 out. 2019.

PAGLIARI, Graciela de Conti. Segurança e defesa na América do Sul: a cooperação regional e o papel do Brasil. Diálogo, Canoas, n. 16, jan./jun. 2010.

PECEQUILO, C. S. A política externa do Brasil no século XXI: Os eixos combinados de cooperação horizontal e vertical. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 51, p.136-53, 2008.

PEREIRA, Roger. O que é a Amazônia Azul e por que o Brasil quer se tornar potência militar no Atlântico. Gazeta do Povo, 01 nov. 2019. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/republica/amazonia-azul-brasil-potencia-militar-atlantico/. Acesso em: 01 nov. 2019.

ROETT, R. The New Brazil. [S. l.]: Brookings Institutions Press, 2011.

ROSINSKI, Herbert. La structure de la stratégie militaire. Institut de Stratégie Comparée-Clausewitz II, p. 97-98, 2009.

SARRO, T.J. O uso do submarino nuclear pela Marinha do Brasil: missões tarefas. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Estudos Marítimos, Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, 2016.

SCHIRM, S. Leaders in Need of Followers: Emerging Powers in Global Governance. European Journal of International Relations, v. 16, n.2, 2010.

SILVA NETO, J. A. O emprego estratégico dos submarinos convencional e nuclear brasileiros: Uma análise à luz da Estratégia Nacional de Defesa. Monografia (Curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores) – Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, 2010.

SOUSA, Gustavo José B. de. Livros Brancos de Defesa: realidade ou ficção? Curitiba: Appris, 2018.

SUBMARINO de ataque S40 RIACHUELO: Como funciona o Naval Group SUBTICS (CSM). [S. l.: s. n., s. d.]. 1 vídeo (4 min). Publicado pelo canal Caiafa Master. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=sez-JznpVQ4&t=153s. 21 jan. 2019. Acesso em: 02 jan. 2018.

TEIXEIRA DE MACEDO. O. H. Perspectivas da diplomacia naval. Revista da Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, v.19, n. 2, p. 391-410, jul./dez. 2013.

TEIXEIRA DA SILVA, F. C. Da. Política de defesa e segurança do Brasil no século XXI: um esboço histórico. In: FILHO, Edison Benedito da Silva Filho; MORAES, Rodrigo Fracalossi de Moraes (orgs.). Defesa nacional para o século XXI: política internacional, estratégia e tecnologia militar. Rio de Janeiro: Ipea, 2012.

TILLY, C. Why and how history matters. In: GOODIN, R.E; TILLY, C. (orgs.). Oxford Handbook of Contextual political analysis. Oxford: Oxford University Press, 2006.

VALE a pena ver de novo: o primeiro submarino com snorkel na US Navy. Poder Naval, 29 set. 2015. Disponível em: https://www.naval.com.br/blog/2015/09/29/o-primeiro-com-snorkel-na-us-navy/. Acesso em: 10 fev. 2019.

VAZ, A. Brazilian foreign policy under Lula: change or continuity?. FES Briefing Paper, 2004.

VIGEVANI, T.; CEPALUNI, G. A política externa de Lula da Silva: a estratégia da autonomia pela diversificação. Contexto Internacional (PUC-RIO), v. 29, p.273-335, 2007.

VIGEVANI, T.; OLIVEIRA, M. F.; CINTRA, R. Política externa no período FHC: a busca de autonomia pela integração. Tempo social, São Paulo, v. 15, n. 2, p.31-61, nov. 2003.

VIZENTINI, P. G. F. Relações Internacionais do Brasil: de Vargas à Lula. São Paulo: Perseu Abramo, 2003.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2021 REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVAL

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexes and directories:
resultado de imagem para Diadorim AZUL resultado de imagem para LOGO DE DOI CrossRef resultado de imagem para CAPES PERIÓDICAS Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
 
 

REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVALJOURNAL OF THE NAVAL WAR COLLEGE

e-ISSN: 2359-3075
ISSN: 1809-3191

INSTRUCTIONS FOR AUTHORS ON-LINE SUBMISSION