O Mato Grosso do Sul e a projeção continental do Brasil: corredores bioceânicos e obras de infraestrutura

Raphael Padula, Pedro Silva Barros

Abstract


O artigo tem como objetivo apresentar a importância geográfica (política e econômica) do Mato Grosso do Sul (MS) para a conexão do Brasil com os vizinhos sul-americanos e particularmente na construção de Corredores Bioceânicos. Assim, além de ser plataforma geopolítica (para projeção de influência), argumenta-se que o MS apresenta enorme potencial produtivo e logístico no âmbito da integração da América do Sul. Ainda, com o objetivo de contribuir para políticas públicas, é apresentado um mapeamento dos principais projetos de infraestrutura que podem melhorar a integração do MS com os países vizinhos, dando destaque para as que fazem parte do corredor rodoviário bioceânico; e sobre como tais obras devem ser encaradas a partir de um conjunto mais amplo e estruturante de obras e investimentos, notadamente as de caráter multimodal. Por isso, também são apresentadas algumas obras relevantes de transporte ferroviário e fluvial – hidrovias e portos – mesmo de sentido Norte-Sul. A metodologia utilizada passa pela revisão bibliográfica de autores de geopolítica brasileira, bancos de dados e documentos sobre integração física sul-americana, especialmente da UNASUL e IIRSA, documentos de agências de governo (BNDES, por exemplo), e notícias veiculadas pelo governo do Mato Grosso do Sul ou pela imprensa local.

Keywords


Corredor Bioceânico; Mato Grosso do Sul; Integração Regional; América do Sul

References


ANTAQ. Anuário Estatístico Aquaviário. Disponível em: http://web.antaq.gov.br/Anuario/

BNDES (2011). Corredor Bioceânico Ferroviário: Estudos técnicos referentes ao Eixo de Capricórnio. Relatório Consolidado. Rio de Janeiro: Híbrida, 2011.

COSTA, Darc (2003). Estratégia Nacional. Rio de Janeiro: Aristeu de Souza.

EPL – Empresa de Planejamento e Logística S.A. (BRASIL). “Estudo de custos do Corredor Bioceânico”. VIII Reunião do Corredor Rodoviário Bioceânico. Campo Grande, 21 e 22 de agosto de 2019.

SILVA, Golbery do Couto e (1965). Geopolítica do Brasil. Rio de Janeiro: Bibliex.

HIRSCHMAN, Albert (1958). Estratégia do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

IIRSA. Iniciativa para Integração de Infraestrutura Regional Sul-Americana. www.iirsa.org

MELLO, Leonel I.A. (1997). A Geopolítica do Brasil e a Bacia do Prata. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas.

PADULA, Raphael (2014). “Da IIRSA ao COSIPLAN: a integração de infraestrutura na América do Sul nos anos 2000 e suas perspectivas de mudança”. In: Walter Antonio Desiderá Neto. (Org.). O Brasil e novas dimensões da integração regional. Brasília: IPEA, 2014, p. 291-352.

SANTA GADEA, R. (2012). “Oportunidades y Desafíos de la integración sudamericana”. In: A América do Sul e a integração regional. Brasília: FUNAG, 2012.

TRAVASSOS, Mario (1931). Projeção Continental do Brasil. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1938.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2021 REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVAL

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexes and directories:
resultado de imagem para Diadorim AZUL resultado de imagem para LOGO DE DOI CrossRef resultado de imagem para CAPES PERIÓDICAS Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
 
 

REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVALJOURNAL OF THE NAVAL WAR COLLEGE

e-ISSN: 2359-3075
ISSN: 1809-3191

INSTRUCTIONS FOR AUTHORS ON-LINE SUBMISSION