A influência do mar como elemento da política externa angolana

Damião Fernandes Capitão Ginga

Abstract


O presente artigo parte da consciência de que na atual conjuntura internacional onde se observa, cada vez mais, a diminuição da importância das fronteiras físicas, à Angola se exige uma adaptação das estratégias geopolíticas, geoestratégicas, geoeconómicas e até ideológicas, em nome dos interesses coletivos. Destarte, interessará por isso reflectir sobre os principais contributos que o Mar pode acrescentar à ação diplomática na realização da Política Externa de Angola, tendo como matriz o sistema de relações internacionais, cada vez mais em transformação e interdependência. Pretende-se assim apresentar uma visão diferenciada, através de uma abordagem qualitativa, mediante um raciocínio dedutivo, que versa sobre a importância estratégica dos Oceanos, enquanto instrumento por excelência de projeção, afirmação e desenvolvimento da Política Externa Angolana, onde se infere que enquanto Angola não apostar na sua componente naval, os proveitos que poderá alcançar do Mar, enquanto instrumento essencial para a sua ação externa, serão insignificantes.

Keywords


Política Externa; Oceanos; Diplomacia; Poder Naval; Angola

References


ALMEIDA, Políbio E. A. V. de. Do Poder do Pequeno Estado. 2.ª Edição. Lisboa: ISCSP, 2012.

BARRENTO, António E. Q. M.. As Forças Armadas como instrumento da acção do Estado. Revista Militar, 58 (2459), p.1325-1335, 2006.

BARROS, Manuel C. Exército – 20 Anos na Defesa da Integridade Nacional: Ameaças, Riscos e Desafios do Futuro. Luanda: CEEA, 2012.

BEMBE, Miguel D. (2016). A Política Externa Angolana: Doutrina e prática. Revista Mulemba [Online], Luanda, Vol. 11, Nº 6, p.25-55, consultado a 30 Novembro 2019 em: http://journals.openedition.org/mulemba/1281

BOOTH, Ken. Navies and Foreign Policy. London, UK: Croom Helm Ltd, 1977.

CABLE, James. Gunboat diplomacy. London: Chatto and Windus, 1971.

CAJARABILLE, Victor. M. L. Papel das Marinhas no âmbito da Política Externa dos Estados. Cadernos Navais, N.º 2, p.1-52, 2002.

CAJARABILLE, Victor. M. L. O Poder Naval na Acção Diplomática. Cadernos Navais, N.º10, p.83-96, 2004.

CARVALHO, António M. L. Angola um Actor importante no peacemaking e peacekeeping em África. Luanda: Universidade Lusíada de Angola, 2014.

COBERTT, Julian S. England in the Seven Year´s War. A Study in Combined Strategy. Vol. I. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2010.

COUTAU-BÉGARIE, Hervé. Le meilleur des ambassadeurs: théorie et pratique de la diplomatie navale. Paris: Institut de Stratégie Comparée, 2010.

DAVID, Charles-Philippe. A Guerra e a Paz: Abordagens contemporâneas da Segurança e da Estratégia. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

DEFARGES, Philippe. M. Introdução à Geopolítica. 2.ed. Lisboa: Gradiva, 2012.

DU PLESSIS, Anton. Defence Diplomacy: Conceptual and practical dimensions with specific reference to South Africa. Strategic Review for Southern Africa, v. 30, n. 2, p.87-119, 2008.

FERNANDES, A. H.; BORGES, J. V. Enquadramento conceptual. In: NOGUEIRA, J. M. F. (coord.). Pensar a Segurança e Defesa. Lisboa: IDN / Edições Cosmos, 2005, p. 11-90.

FONSECA, Alexandre; DUARTE, Rebelo. Diplomacia do Mar. In: Matias, N. V; Soromenho-Marques, V; Leitão, A. G. (coord.). Políticas Públicas do Mar. Lisboa: Esfera do Caos, 2010, p. 203-228.

GUEDES, Armando M. As constantes emergentes e a atipicidade das linhas de força na política externa de Angola, 1975-2002. In: PAVIA, J. F. (coord.). A Política Externa de Angola no Novo Contexto Internacional. Lisboa: Quidjuris, 2011, p. 21-72.

IISS. The Military Balance 2019: The annual assessment of the military capabilities and defense economics. London: IISS, 2019.

LEÃO, Ana; RUPIYA, Martin. A Military History of the Angolan Armed Forces from the 1960s Onwards – As Told by Former Combatants. In: RUPIYA M. et. al. Evolutions & Revolutions: A Contemporary History of Militaries in Southern Africa. South Africa: International Security Studies (ISS), 2005.

LEVY, Jack S.; THOMPSON, William R. Causes of War. Oxford, UK: Wiley-Blackwell, 2010.

MAHAN, Alfred T. Retrospect and prospect. London: Sampson, 1902.

MAGALHÃES, José C. A Diplomacia Pura. Lisboa: Associação Portuguesa para Estudos das Relações Internacionais, 1982.

MACEDO, Oswaldo H. T. Perspectivas da Diplomacia Naval. Revista da Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, v.19, n. 2, p.391-410, jul./dez., 2013.

MOREIRA, Adriano. Política Internacional. Lisboa: ISCSPU, 1970.

MORGENTHAU, Hans. J. Politics Among Nations. The Struggle for Power and Peace. Brief Edition. New York: McGraw-Hill, 1993.

MONTEIRO, Sardinha. Marinhas e Política Externa. Revista da Armada, v.46, n. 515, p.4-5, fev. 2017.

NYE JR, Joseph S. Get Smart: Combining Hard and Soft Power. Foreign Affairs, v.88, n. 4, p.160-163, july/aug. 2009.

PALMER, Glenn; MORGAN, Clifton. A Theory of Foreign Policy. New Jersey: Princeton University Press, 2006.

ROSA, Armindo. B. Política de Defesa de Angola. Nação & Defesa, v.125, n. 4, p.71-77, 2010.

ROYAL NETHERLANDS NAVY. Fundamentals of Maritime Operations: Netherlands Maritime Military Doctrine. Den Helder: Ministry of Defence, 2014.

SIMPSON-ANDERSON, Robert. C. Navies in War and Peace: Annual Policy Review. African Security Review, v.1, n. 5, p.32-39, 1996.

SANTOS, Victor M. (2000). Reflexões sobre a problemática da Avaliação de Resultados em Política Externa. In: TAVARES, Maria José Ferro et al., org. Discursos: estudos em memória do Prof. Doutor Luis de Sá. Lisboa: Editora Universidade Aberta, dez. 2000, p.93-109.

SARAIVA, Luís. E. As relações entre Angola e a Guiné-Bissau. In: PAVIA, J. F. (coord.). A Política Externa de Angola no Novo Contexto Internacional. Lisboa: Quidjuris, 2011, p.89-106.

SANTOS, Victor M. Elementos de Análise de Política Externa. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, 2012.

THOMASHAUSEN, André. Angolan Maritime Security. Revista de Ciências Sociais e Políticas, n. 2, p.7-32, 2008.

TILL, Geoffrey. Seapower: A Guide for the Twenty-First Century. London: Routledge, 2009.

TOMÉ, António J. V. A. Relações Internacionais, Geopolítica e Geoestratégia. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, 2011.

Diretiva Presidencial, sobre a Reedificação das Forças Armadas Angolanas, datado de 30 de julho de 2007.

Estatuto Orgânico da Marinha de Guerra Angolana. Ministério da Defesa Nacional, Angola, Luanda. 2015.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2021 REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVAL

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Indexes and directories:
resultado de imagem para Diadorim AZUL resultado de imagem para LOGO DE DOI CrossRef resultado de imagem para CAPES PERIÓDICAS Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
 
 

REVISTA DA ESCOLA DE GUERRA NAVALJOURNAL OF THE NAVAL WAR COLLEGE

e-ISSN: 2359-3075
ISSN: 1809-3191

INSTRUCTIONS FOR AUTHORS ON-LINE SUBMISSION